Tag: fedora (subscribe)

I am not on Freenode anymore


Tags:

This is a quick public announcement to say that I am not on the Freenode IRC network anymore. My nickname (sergiodj), which was more than a decade old, has just been deleted (along with every other nickname and channel in that network) from their database today, 2021-06-14.

For your safety, you should assume that everybody you knew at Freenode is not there either, even if you see their nicknames online. Do not trust without verifying. In fact, I would strongly encourage that you do not join Freenode anymore: their new policies are absolutely questionable and their disregard for their users is blatant.

If you would like to chat with me, you can find me at OFTC (preferred) and Libera.


Yes, you are reading correctly: I decided to buy a freacking Chromebook. I really needed a lightweight notebook with me for my daily hackings while waiting for my subway station, and this one seemed to be the best option available when comparing models and prices. To be fair, and before you throw me rocks, I visited the LibreBoot X60's website for some time, because I was strongly considering buying one (even considering its weight); however, they did not have it in stock, and I did not want to wait anymore, so...

Anyway, as one might expect, configuring GNU/Linux on notebooks is becoming harder as time goes by, either because the infamous Secure Boot (anti-)feature, or because they come with more and more devices that demand proprietary crap to be loaded. But fortunately, it is still possible to overcome most of those problems and still get a GNU/Linux distro running.

References

For main reference, I used the following websites:

I also used other references for small problems that I had during the configuration, and I will list them when needed.

Backing up ChromeOS

The first thing you will probably want to do is to make a recovery image of the ChromeOS that comes pre-installed in the machine, in case things go wrong. Unfortunately, to do that you need to have a Google account, otherwise the system will fail to record the image. So, if you want to let Google know that you bought a Chromebook, login into the system, open Chrome, and go to the special URL chrome://imageburner. You will need a 4 GiB pendrive/sdcard. It should be pretty straightforward to do the recording from there.

Screw the screw

Now comes the hard part. This notebook comes with a write-protect screw. You might be thinking: what is the purpose of this screw?

Well, the thing is: Chromebooks come with their own boot scheme, which unfortunately doesn't work to boot Linux. However, newer models also offer a “legacy boot” option (SeaBIOS), and this can boot Linux. So far, so good, but...

When you switch to SeaBIOS (details below), the system will complain that it cannot find ChromeOS, and will ask if you want to reinstall the system. This will happen every time you boot the machine, because the system is still entering the default BIOS. In order to activate SeaBIOS, you have to press CTRL-L (Control + L) every time you boot! And this is where the screw comes into play.

If you remove the write-protect screw, you will be able to make the system use SeaBIOS by default, and therefore will not need to worry about pressing CTRL-L every time. Sounds good? Maybe not so much...

The first thing to consider is that you will lose your warranty the moment you open the notebook case. As I was not very concerned about it, I decided to try to remove the screw, and guess what happened? I stripped the screw! I am still not sure why that happened, because I was using the correct screw driver for the job, but when I tried to remove the screw, it seemed like butter and started to “decompose”!

Anyway, after spending many hours trying to figure out a way to remove the screw, I gave up. My intention is to always suspend the system, so I rarely need to press CTRL-L anyway...

Well, that's all I have to say about this screwed screw. If you decide to try removing it, keep in mind that I cannot help you in any way, and that you are entirely responsible for what happens.

Now, let's install the system :-).

Enable Developer Mode

You need to enable the Developer Mode in order to be able to enable SeaBIOS. To do that, follow these steps from the Arch[GNU/]Linux wiki page.

I don't remember if this step works if you don't have activated the ChromeOS (i.e., if you don't have a Google account associated with the device). For my use, I just created a fake account to be able to proceed.

Accessing the superuser shell inside ChromeOS

Now, you will need to access the superuser (root) shell inside ChromeOS, to enable SeaBIOS. Follow the steps described in the Arch[GNU/]Linux wiki page. For this specific step, you don't need to login, which is good.

Enabling SeaBIOS

We're almost there! The last step before you boot your Fedora LiveUSB is to actually enable SeaBIOS. Just go inside your superuser shell (from the previous step) and type:

1
> crossystem dev_boot_usb=1 dev_boot_legacy=1

And that's it!

If you managed to successfuly remove the write-protect screw, you may also want to enable booting SeaBIOS by default. To do that, there is a guide, again on Arch[GNU/]Linux wiki. DO NOT DO THAT IF YOU DID NOT REMOVE THE WRITE-PROTECT SCREW!!!!

Booting Fedora

Now, we should finally be able to boot Fedora! Remember, you will have to press CTRL-L after you reboot (if you have not removed the write-protect screw), otherwise the system will just complain and not boot into SeaBIOS. So, press CTRL-L, choose the boot order (you will probably want to boot from USB first, if your Fedora is on a USB stick), choose to boot the live Fedora image, and... bum!! You will probably see a message complaining that there was not enough memory to boot (the message is “Not enough memory to load specified image”).

You can solve that by passing the mem parameter to Linux. So, when GRUB complains that it was unable to load the specified image, it will give you a command prompt (boot:), and you just need to type:

#!bash boot: linux mem=1980M

And that's it, things should work.

Installing the system

I won't guide you through the installation process; I just want to remember you that you have a 32 GiB SSD drive, so think carefully before you decide how you want to set up the partitions. What I did was to reserve 1 GB for my swap, and take all the rest to the root partition (i.e., I did not create a separate /home partition).

You will also notice that the touchpad does not work (neither does the touchscreen). So you will have to do the installation using a USB mouse for now.

Getting the touchpad to work

I strongly recommend you to read this Fedora bug, which is mostly about the touchpad/touchscreen support, but also covers other interesting topics as well.

Anyway, the bug is still being constantly updated, because the proposed patches to make the touchpad/touchscreen work were not fully integrated into Linux yet. So, depending on the version of Linux that you are running, you will probably need to run a different version of the scripts that are being kindly provided in the bug.

As of this writing, I am running Linux 3.16.2-201.fc20, and the script that does the job for me is this one. If you are like me, you will never run a script without looking at what it does, so go there and do it, I will wait :-).

OK, now that you are confident, run the script (as root, of course), and confirm that it actually installs the necessary drivers to make the devices work. In my case, I only got the touchpad working, even though the touchscreen is also covered by this script. However, since I don't want the touchscreen, I did not investigate this further.

After the installation, reboot your system and at least your touchpad should be working :-). Or kind of...

What happened to me was that I was getting strange behaviors with the touchpad. Sometimes (randomly), its sensitivity became weird, and it was very hard to move the pointer or to click on things. Fortunately, I found the solution in the same bug, in this comment by Yannick Defais. After creating this X11 configuration file, everything worked fine.

Getting suspend to work

Now comes the hard part. My next challenge was to get suspend to work, because (as I said above) I don't want to poweroff/poweron every time.

My first obvious attempt was to try to suspend using the current configuration that came with Fedora. The notebook actually suspended, but then it resumed 1 second later, and the system froze (i.e., I had to force the shutdown by holding the power button for a few seconds). Hmm, it smelled like this would take some effort, and my nose was right.

After a lot of search (and asking in the bug), I found out about a few Linux flags that I could provide in boot time. To save you time, this is what I have now in my /etc/default/grub file:

1
GRUB_CMDLINE_LINUX="tpm_tis.force=1 tpm_tis.interrupts=0 ..."

The final ... means that you should keep whatever was there before you included those parameters, of course. Also, after you edit this file, you need to regenerate the GRUB configuration file on /boot. Run the following command as root:

1
> grub2-mkconfig -o /boot/grub2/grub.cfg

Then, after I rebooted the system, I found that only adding those flags was still not enough. I saw a bunch of errors on dmesg, which showed me that there was some problem with EHCI and xHCI. After a few more research, I found the this comment on an Arch[GNU/]Linux forum. Just follow the steps there (i.e., create the necessary files, especially the /usr/lib/systemd/system-sleep/cros-sound-suspend.sh), and things should start to get better. But not yet...

Now, you will see that suspend/resume work OK, but when you suspend, the system will still resume after 1 second or so. Basically, this happens because the system is using the touchpad and the touchscreen to determine whether it should resume from suspend or not. So basically what you have to do is to disable those sources of events:

1
2
echo TPAD > /proc/acpi/wakeup
echo TSCR > /proc/acpi/wakeup

And voilà! Now everything should work as expected :-). You might want to issue those commands every time you boot the system, in order to get suspend to work every time, of course. To do that, you can create a /etc/rc.d/rc.local, which gets executed when the system starts:

 1
 2
 3
 4
 5
 6
 7
 8
 9
10
11
12
> cat /etc/rc.d/rc.local
#!/bin/bash

suspend_tricks()
{
  echo TPAD > /proc/acpi/wakeup
  echo TSCR > /proc/acpi/wakeup
}

suspend_tricks

exit 0

Don't forget to make this file executable:

1
> chmod +x /etc/rc.d/rc.local

Conclusion

Overall, I am happy with the machine. I still haven't tried installing Linux-libre on it, so I am not sure if it can work without binary blobs and proprietary craps.

I found the keyboard comfortable, and the touchpad OK. The only extra issue I had was using the Canadian/French/whatever keyboard that comes with it, because it lacks some useful keys for me, like Page Up/Down, Insert, and a few others. So far, I am working around this issue by using xbindkeys and xvkdb.

I do not recommend this machine if you are not tech-savvy enough to follow the steps listed in this post. If that is the case, then consider buying a machine that can easily run GNU/Linux, because you feel much more comfortable configuring it!


Relato: FAD SP 2013


Tags:

Estava devendo este post há 1 semana pro meu amigo Leonardo Vaz! Desculpaê, Leo :-).

Vou tentar fazer um (breve?) relato sobre o Fedora Activity Day (ou simplesmente FAD), que aconteceu em São Paulo no dia 1 de Junho de 2013, mais conhecido como sábado retrasado :-). Se quiser ver a página de organização do evento (em inglês), clique neste link aqui.

Chegada em Sampa

Bem, como sou um ex-embaixador do Fedora novato, inexperiente, e que não faz nada da vida (ao contrário de vários ex-colegas que participam há anos como embaixadores contribuindo solidamente para o bem comum e sem deixar a peteca cair), eu resolvi levar os DVDs do Fedora que estavam comigo para que o Leo e o Itamar (e quem mais estivesse por lá!) pudessem se encarregar de redistribuí-los antes que eles perdessem a "validade". Saí cedo de Campinas, e com uma São Paulo sem trânsito nem problemas, consegui chegar no escritório da Red Hat às 9h e pouco.

Conheci (e reconheci!) algumas pessoas por lá, entre colegas de trabalho da empresa, embaixadores/contribuidores do Fedora, e entusiastas que estavam lá pra conhecer melhor e ver qual era a do evento. Certamente foi uma tarde/noite proveitosa em termos de contatos pessoais!

Palestras

Depois de um atraso no início do evento, o Leo começou apresentando uma palestra sobre o projeto Fedora (e seus sub-projetos, como o de embaixadores, por exemplo). Mesmo com boa parte (senão todos!) dos presentes já fazendo parte do projeto de algum jeito, ainda assim a palestra foi um momento legal pra que algumas discussões e reflexões acontecessem. Considero que a maior parte da "nata" da comunidade estava naquela sala (com óbvias exceções como o Fábio Olivé, o Amador Pahim, e outras pessoas cujos nomes não vou ficar citando porque estou com preguiça de pensar em todos!). Portanto, acho que o plano do Leo (que é o de revitalizar a comunidade Fedora no Brasil, principalmente a de embaixadores) começou com os dois pés direitos (se é que isso é possível!).

A idéia inicial era de que cada palestra durasse 1 hora, mas é claro que com tanto assunto pra tratar a palestra do Leo durou muito mais que isso! No fim das contas, quando a palestra terminou já era hora do almoço :-). Como não poderia deixar de ser, o papo continou na cozinha, e foi lá que pude conhecer melhor o pessoal que estava presente. Foi bem legal :-).

Bem, com a bateria carregada, era hora do segundo ciclo de palestras! O Leo pediu pra que eu apresentasse um pouco da minha experiência com o GDB, tanto na parte de lidar com a comunidade upstream, quanto na hora de focar no desenvolvimento de funcionalidades para o Fedora (ou para o Red Hat Enterprise (GNU/)Linux). Eu não tinha preparado nenhum slide, e fui com a cara (de pau) e a coragem tentar bater um papo com a galera ;-). Aqui está uma foto na hora da palestra (reparem na pose, no garbo e na elegância do palestrante):

Apresentação do GDB

Acho que consegui passar uma idéia de como é o meu dia-a-dia trabalhando com o GDB e navegando entre os mares upstream e empresarial. Algumas pessoas fizeram algumas perguntas (o Maurício Teixeira inclusive fez perguntas técnicas!), e felizmente minha palestra durou bem menos do que a do Leo! Eu certamente não tinha tanto assunto pra tratar :-P.

A última atividade do dia foi um hands-on que o Itamar fez sobre empacotamento RPM. Foi legal, e acho que deu pro pessoal ter uma noção de que empacotar pro Fedora não é um bicho de sete cabeças. Inclusive, se você estiver interessado em saber mais, sugiro que dê uma olhada na página wiki que ensina o básico disso, e não se sinta envergonhado de enviar suas dúvidas pras listas de desenvolvimento do Fedora!

Após esse how-to ao vivo, e levando em conta o horário avançado (mais de 19h) e o cansaço do pessoal, decidimos finalizar o evento. Na verdade, ainda ficamos discutindo bastante sobre vários pontos importantes da comunidade, os problemas vivenciados (sim, existem problemas, a não ser que você viva num mundo encantado ou não se envolva o suficiente pra notá-los, mas aí é só pedir pra alguém traduzir o que está acontecendo e talvez você entenda), e as possíveis soluções. Acabei saindo de Sampa quase 20h30min, mas achei que valeu muito a pena ter ido!

Conclusões

A conclusão pessoal é que eu estava mesmo precisando ir a eventos e conhecer pessoas novas! Acho isso muito legal, é um combustível pra fazer mais coisas e ter mais idéias.

A conclusão na parte da comunidade é a de que o Leo vai conseguindo aos poucos mudar a mentalidade do Fedora Brasil. Não me arrependo de ter dado um tempo no sub-projeto de embaixadores, e estou achando muito legal ver as ações do Leo & cia. para mudar as coisas. Têm meu total apoio!

Agradecimentos

Esse evento certamente não teria acontecido sem o incansável Leonardo Vaz. Ele merece todos os agradecimentos e toda a admiração da comunidade (inter)nacional do Fedora por isso, sem dúvida. Se você estiver lendo este post, tiver alguma relação com o Fedora, e for ao FISL este ano, pague uma cerveja (ou suco!) a ele, porque ele merece.

Também queria agradecer ao pessoal que foi ao evento. É sempre bom ver gente que se preocupa de verdade em melhorar algo, que não fecha os olhos para os problemas que estão acontecendo, e principalmente que se dispõe a aprender algo novo. Foi gratificante ter conhecido pessoas como o Germán, um astrofísico argentino que mantém dois pacotes em Python no Fedora sem querer nada em troca! Ou tipo o Hugo Cisneiros, envolvido no mundo GNU/Linux há tanto tempo quanto aquele cabelo dele levou pra crescer :-P.

E vida longa ao Software Livre!


So long, Ambassadors...


Tags:

No, I am not leaving the Fedora Project, I am just leaving (or taking a break, depending on how you look) its Ambassadors program. I am still the co-maintainer of the GDB package, and will contribute to the development of the distribution since it is also my job. However, after a few months trying to become more involved with the Fedora community (specifically with the Brazilian/LATAM community), I became so disappointed that the only logical action for me now is to step back.

My brief history

I joined the Ambassadors program on October, 2012. After having used the system heavily for almost 3 years, I decided that it was about time to pay something back to the community too. Since I live in Brazil, I joined the the brazilian team of Ambassadors (which meant that I was also part of the Latin America team). Thanks to my friend Leonardo Vaz (from Red Hat), I talked to Daniel Bruno who then became responsible for "mentoring" me.

The brazilian community was (and still is) very inactive (compared to others, and to itself a few years ago), but I was very excited and decided to try to revive it. And the first task that I assigned myself was to regain control of the brazilian and LATAM domains.

The domains

Alejandro Perez, a very nice guy from Panamá responsible for LATAM's money, asked me to talk to Rodrigo Padula, an inactive Fedora Ambassador from Brazil, about the domains. Padula was a very active member of the brazilian community since 2006 if I'm not mistaken, but due to reasons beyond my knowledge is inactive in the Fedora community for quite some time now (he's still very active in the Mozilla community, however). And he owns both domains.

Alejandro was worried because the LATAM domain had suffered some sort of outage during some days, which is obviously bad for the project. He was also concerned (and I totally agreed with him on this) because those domains shouldn't be owned by a person (rather, it should be registered on behalf of the Fedora Project or, ultimately, Red Hat), specially if this person is now inactive.

To make a long story short, I spent more than 1 month doing the indirection and talking to both guys about this issue. Padula initially said he could transfer the domains without problem, but then changed his mind and said he wouldn't do it. On the other side, Alejandro was getting upset because Padula did not want to make the transfer, and the LATAM community was pressuring him. In the end, I totally gave up, and the LATAM guys registered yet another domain, but right now are still using the old domain. Yes, a mess.

Working with LATAM

Anyway, after this episode, and after witnessing how active the LATAM community was in contrast with the brazilian community, I decided to work directly with them. I wanted to do something, and I was eager to start working as a real ambassador, spreading the word about Fedora everywhere. And my friends from Panamá, Argentina, México, Venezuela, etc., seemed the right people to work with.

So I started attending the weekly meetings on #fedora-latam, at Freenode, every Wednesday night. It is a well-organized meeting (run by Alejandro), whose main goal is to vote tickets from LATAM ambassadors (including brazilians). Tickets are basically requests made through a Trac instance, and are used to ask for swags, media, sponsorship for travels, etc. The Fedora Project has a budget, and the LATAM region gets a fraction of this budget for annual expenses, so our job as ambassadors was to vote those tickets and decide whether they deserve to be approved or not, according to some rules inside the project.

Keep in mind: we are dealing with money here. It's not yours nor mine, but it's still money that should be used to promote a project that embraces open source initiatives (unfortunately, I cannot say Fedora is Free Software, but that is a topic for another post).

So, after some weeks working with the LATAM guys, I became the default owner of Trac tickets from brazilian ambassadors. And a few more weeks down the road Alejandro asked me to produce media (Fedora DVDs) and be resposible for distributing them in Brazil. I spent a lot of time ordering the medias (I had to travel to São Paulo in order to make sure everything was OK), and every time an ambassador requests Fedora DVDs I go through a series of steps (link in pt_br) to guarantee that she gets her media and I get my reimbursement.

I also like to give talks and presentations about the project, and so I've attended some events (or organized them) just to be able to do that. I have posted some reports about them in this blog, you can find them in the archives (if you can read in pt_BR).

So, enough of self-promotion: why I am leaving the ambassador's program after all?

Disappointment

A few things started to happen:

  • During the weekly LATAM meetings, it bothered me to see that the tickets were being approved without any kind of serious discussion. Everyone (including myself!) was just giving "+1" to everything!
  • FISL, the biggest open source (no, it is not about Free Software!!) event in LATAM, is going to happen on July. Suddenly, new brazilian ambassadors were popping out of nowhere, and inactive ambassadors were pretending to do something.
  • As a consequence, we received 9 sponsorship requests in our Trac. Some from active people, some not.

Something that I should have noticed before became crystal clear to me: some people are there just to take advantages for their own. They are not interested in the project, in the philosophy (yes, you can laugh at my face now...), in the promotion of the ideals, etc. They just want free lunch. And they get it...

During the last meeting I attended, two weeks ago, we were going to vote the FISL tickets. A few days before the meeting, I sent the following message to the LATAM Ambassadors list:

Hi there,

This message is just to let you know that we will be discussing several FISL tickets in our next meeting, May 8th. You can take a look at the meeting agenda by going to:

https://fedorahosted.org/fedora-latam/report/9

I would like to ask everyone to read the requests and make your decision based on merits, please. In my opinion, only active ambassadors should receive the honor of being sponsored by Fedora to go to FISL14. Let's not spend money unnecessarily, so try to avoid the "+1" wave when voting for the tickets.

Thanks a lot,

--Sergio.

As I said, some tickets were filed by inactive ambassadors, and I wanted us to at least discuss the matter with him/her, showing that we were not happy with his/her conduct. It is one thing when you have personal problems and have to step away from the project for a while; it is another different thing when you disappear without saying a word and then comes back to request sponsorship for travel.

We began the meeting by discussing tickets filed by active members, and approving them without thinking much about it. However, eventually we got to the problematic ones. There is this specific guy, whose name I will not mention here, who was very absent since I started in the project, and I felt the need to point that out. I told him I hadn't seen him in quite a while, and explained that there were many ambassadors doing things for Fedora. He's a long term contributor to the project, as he himself told me in a not-so-friendly tone during the meeting. But that was not the subject of the discussion, and while he kept saying how hard he worked for the project in the last 5 years, or how much he's done for this or that, I remained silent and began to think: what the hell am I doing? Why am I wasting my time in a Wednesday night to convince a group that someone maybe doesn't deserve the credit he's asking for? Well, the only reasonable answer was: because I feel it is the right thing to do. But nobody said a word during this discussion, and I started to feel something else. I felt that people were not interested in evaluating how much this guy (or anybody else, for that matter) really did for the project! And the feeling was corroborated when someone else said: "Hey, let's just approve the ticket now, we can continue the discussion later". WHAT????. Let me see if I get it: we are here to discuss, reach a consensus, and vote. You want to approve, maybe discuss, fuck the consensus. Well...

I left before the end of the meeting, but I still managed to see this behaviour explained by some people: there was enough money to approve all tickets, so the meeting was just a formality needed to explain the expenses later. I was at least fully convinced that I did not belong there.

Not my place

If you are part of a team and you disagree with its members, I believe you have two choices most of the time: you can either (a) discuss with them, try to understand their reasons for being different, try to explain yours, see what you can do to overcome this, or (b) leave it. Sometimes I choose one, sometimes another. This is the time for (b). I don't want to spend more time and energy into something that doesn't work the way I think it should. I don't feel motivated to fight against the tide, because I am not so strong and the tide keeps getting bigger and bigger. And I also don't want to stop people from doing what they think is right, honestly. In the end of the day, I still want to believe that everyone has a conscience and knows what's correct...

But I am not going to cross my arms and sit. Some friends and I decided to create our own group, called LibrePlanet São Paulo (link in pt_br), and focus on the real important thing: Free Software. I really hope we can make a difference with our local community, and we have started with the right foot already: we organized the Document Freedom Day in our city this year!

As for Fedora, as I said, I still intend to continue contributing to it. I'm still subscribed to the fedora-devel mailing list, and I still follow the project's decisions, partly because it is part of my job, partly because I strongly believe you have to give back what you take for free -- as in freedom -- from the community. I also have some DVDs and I intend to distribute them. But my time as a Fedora Ambassador is coming to an end. It was a good experience, I met good people, had a great time doing talks and presentations, and most of all, did what I felt right at the right time.

So, as Douglas Adams said, "...thanks for all the fish!".


E... Aqui estamos (estou?) com mais um relato sobre duas atividades envolvendo o Projeto Fedora! Ele contempla, respectivamente, os Install Fests ocorridos na UNESP de Rio Claro/SP e na UNICAMP. Foram atividades que envolveram diversas pessoas, tiveram vitórias e derrotas, alegrias e tristezas, mas acima de tudo um sentimento de impotência (principalmente no Install Fest ocorrido na UNICAMP) em relação às novas "tecnologias" de boot, principalemente ao Secure Boot.

Install Fest: missão UNESP de Rio Claro/SP

Este foi o Install Fest mais tranquilo. Ele começou a ser organizado logo depois da minha participação na Semana da Computação da UNESP de Rio Claro, e a intenção inicial era realizá-lo no dia da matrícula dos alunos ingressantes na Universidade. No final das contas, decidimos postergar a data, e isso foi uma boa escolha.

O Install Fest aconteceu no dia 06 de março de 2013, em um auditório da Biblioteca do campus, e começou com uma palestra minha sobre o Projeto Fedora. Foi basicamente a mesma palestra que eu havia apresentado na Semana da Computação, mas de uma maneira mais sucinta porque tínhamos pouco tempo. Creio que a palestra foi bem recebida, porque o público demonstrou interesse em contribuir com o Projeto Fedora depois que eu expliquei os meios para isso :-). Além disso, apesar do número pequeno de pessoas (aproximadamente 12 participantes), todos estavam bastante interessados no conteúdo, o que é uma motivação extra!

Bem, após a palestra era hora de começar a instalar os sistemas. Levei vários DVDs do Fedora, em basicamente 2 versões: LiveDVDs, que permitem o boot e a utilização de um sistema Fedora sem a necessidade de instalar nada na máquina, e InstallDVDs, que não oferecem a opção de "experimentar" o sistema, mas já possuem todos os pacotes necessários para fazer uma instalação completa. Expliquei a todos os presentes algumas regras básicas de todo Install Fest: é preciso reparticionar o disco rígido caso se queira manter o Microsoft (R) Windows (R), quem organiza o Install Fest não pode assumir responsabilidade por nenhuma falha na instalação (apesar de elas serem raras), e também não pode assumir responsabilidade caso o usuário torne-se viciado no GNU/Linux :-). Dito isso, começamos a colocar as mãos na GNU/massa.

O primeiro desafio (e, até então, único!) dos Install Fests recentes é imposto pelos próprios fabricantes de notebooks. Um disco rígido que ainda utilize MBR (a maioria) suporta apenas 4 partições primárias. Antigamente, os fabricantes criavam apenas uma partição para o Microsoft (R) Windows (R), e às vezes chegavam a criar outra partição de "recuperação", mas paravam por aí. Atualmente, não é raro encontrar computadores com 4 partições primárias já criadas. Eu inclusive já cheguei a ver notebooks com discos de 1 TB com uma partição primária de pouco mais de 1 MB! É uma prática totalmente absurda, e a meu ver é feita com má-fé, visando dificultar a instalação de outros sistemas operacionais. Além disso, pra piorar ainda mais, alguns fabricantes (HP me vem à cabeça, mas existem outros) dão um jeito de invalidar a garantia caso o esquema de particionamento seja alterado!!!

Felizmente, vários computadores no Install Fest possuíam apenas 3 partições (ou até menos!), e aqueles que possuíam 4 partições ou usavam um outro boot sector (chamado GPT), ou já estavam fora da garantia do fabricante e podiam ter seus esquemas de particionamento alterados. O próprio Microsoft (R) Windows (R), a partir da versão 7 (se não me engano), oferece uma ferramenta específica para redimensionar e reparticionar o disco, portanto essa primeira etapa foi concluída com sucesso em todas as máquinas (por favor, se você participou do Install Fest e se lembra de alguma máquina na qual não foi possível efetuar o reparticionamento, por favor contate-me <about> para que eu corrija o post!).

Depois de reparticionar, era hora de começar a instalação. Quase todos preferiram utilizar o InstallDVD, porque a instalação pela internet iria demorar muito. Após o boot, deparamo-nos com a interface do instalador do Fedora 18. Depois de ter lido diversas críticas sobre ele, pude finalmente confirmar que, infelizmente, quase todas condizem. Confesso que fiquei confuso no início, principalmente na tela de particionamento e seleção de disco, que não é nem um pouco intuitiva. Sei que o instalador foi reescrito, e que ele foi um dos principais motivos do atraso no lançamento do Fedora 18, então espero muito que as melhorias para o Fedora 19 contemplem, principalmente, essa parte de interface com o usuário. Após apanhar um pouco, acabei me acostumando com ele e as outras instalações foram mais tranquilas.

Conforme as instalações foram acabando, os sistemas começaram a ser configurados. Se minha memória não falha, todos optaram por instalar o GNOME 3, que é o desktop padrão do Fedora 18. Eu particularmente não gosto dele, e também tive algumas dificuldades (principalmente ao tentar encontrar modos de alterar opções mais avançadas), mas algumas pessoas gostaram do visual.

No final, esqueci de contar quantas máquinas foram instaladas, mas creio que chegamos perto de 11. Todas as instalações foram bem sucedidas, até onde minha memória alcança :-). E novamente eu fiquei bastante satisfeito com minha ida à UNESP de Rio Claro!

Entretanto, nuvens negras estavam se aproximando, e minha alegria duraria pouco...

Install Fest: missão UNICAMP

Há alguns anos começaram a surgir notícias sobre um novo sistema que substituiria a BIOS, permitindo muito mais flexibilidade durante o boot e inclusive adicionando camadas de segurança que protegeriam o usuário de vírus e outras ameaças. Esse sistema chama-se UEFI (e uma das tais "camadas de segurança" chama-se Secure Boot), e no ano passado ele ganhou muita notoriedade porque a Microsoft (R) anunciou que seu então novo sistema, o Windows (R) 8, só poderia ser utilizado em máquinas com UEFI. Isso causou uma corrida dos fabricantes de computador para adaptar-se a esse novo modelo (e ganhar o famigerado selo de compatibilidade da Microsoft (R)), e gerou incoformismo em boa parte das comunidades envolvidas com Software Livre e/ou Open Source.

Resumindo, o grande problema desse novo esquema é a necessidade de uma chave criptográfica assinada por uma autoridade certificadora para que o sistema operacional seja iniciado. Essa é a segurança que o Secure Boot provê, e o único jeito de obter uma chave assinada é... (tambores)... pagando à Microsoft (R)!

Até onde eu sei, o Microsoft (R) Windows (R) 8 não funciona caso o Secure Boot esteja desabilitado (um meio perfeitamente válido de instalar uma distribuição GNU/Linux que não possui a tal chave criptográfica), então a distribuição é obrigada a compactuar com esse esquema caso queira oferecer a opção de dual-boot ao usuário. E atualmente, as duas únicas distribuições que oferecem isso são o Fedora e o Ubuntu.

Bem, depois dessa sucinta explicação, começa aqui meu relato sobre o que aconteceu no Install Fest. No dia 13 de março de 2013, quarta-feira, nos reunimos no Instituto de Computação da UNICAMP para realizarmos a instalação de distribuições GNU/Linux. Novamente, eu levei vários DVDs do Fedora para serem utilizados pelos alunos ingressantes nos cursos de Ciência e Engenharia de Computação. Dessa vez não houve palestra introdutória sobre o Projeto Fedora, mas eu resolvi pegar 10 minutos e explicar as "regras" de um Install Fest. Também comentei sobre a má prática que algumas fabricantes de notebooks têm quando decidem entregar um disco rígido todo particionado e sem a possibilidade de adição de novas partições primárias. Dito isso, começamos a instalar.

Infelizmente, devido a diversos fatores como inexperiência, tempo curto para organização do evento, e erro na estimativa de quantas pessoas iriam ao evento, acabamos ficando com muita gente pra instalar e pouca gente pra ajudar. Não chegamos a fazer uma contagem oficial, mas eu suponho que pelo menos 20 pessoas estavam na sala querendo instalar o Fedora. E a grande maioria delas estava com notebooks novos, com Microsoft (R) Windows (R) 8, i.e., com UEFI e Secure Boot habilitados.

Conforme íamos reparticionando os discos e bootando os DVDs do Fedora, começamos a perceber que havia algo errado. Depois de terminar a instalação em algumas máquinas, notávamos que o sistema não iniciava. O que tínhamos que fazer, em alguns casos, era desabilitar o Secure Boot (mesmo assim, sem sucesso em alguns casos). E depois disso, o Fedora finalmente era iniciado, mas o Microsoft (R) Windows (R) 8 não aparecia na lista de sistemas operacionais do GRUB! Ou seja, era impossível fazer com que os dois sistemas convivessem na mesma máquina.

Tivemos alguns casos um pouco mais graves, mas que no fim foram resolvidos. E antes que você me pergunte qual foi a solução, eu respondo: reabilitamos o Secure Boot, e praticamente desfizemos a instalação do Fedora. Ou seja, a esmagadora maioria dos alunos presentes no Install Fest voltou pra casa com uma máquina sem Fedora ou qualquer outra distro GNU/Linux. Eu pessoalmente vi apenas 2 instalações bem sucedidas, apesar de que depois do Install Fest fiquei sabendo de mais.

Saí do evento bastante chateado, achando que a culpa havia sido nossa, e que os alunos nunca mais iriam querer instalar GNU/Linux nas suas máquinas. Mas depois de um tempo, coloquei as idéias em ordem e resolvi escrever este post. Não estou eximindo ninguém da culpa, creio que devíamos ter planejado o Install Fest um pouco melhor, e com certeza aprendemos com os erros que cometemos. Mas acho muito importante apontar alguns dedos e dizer o que realmente aconteceu.

Conclusões

A conclusão principal não poderia ser outra. É preciso tomar muito cuidado com essas novas tecnologias de boot. Quando for comprar uma máquina nova, é preciso prestar muita atenção a isso, pois essas novas tecnologias nada mais são do que armadilhas para tirar a sua liberdade de escolher o que quer executar na sua máquina. É preciso lutar contra essas imposições que as empresas fazem (não seja inocente pensando que é só a Microsoft (R) que está por trás disso...), e é preciso tomar conta da sua liberdade. Se quiser demonstrar ainda mais seu apoio contra essas imposições (e entender mais do porquê delas existirem), clique aqui e leia a página da Free Software Foundation sobre o assunto (e assine a petição também!).

Conclusões secundárias: um Install Fest (ou qualquer evento, na verdade) precisa ser organizado com antecedência, e precisa ter bastante gente disposta a ajudar nas instalações. Só assim as coisas fluem.

Agradecimentos

Não posso deixar de agradecer o Ricardo Panaggio por me ajudar indo até a UNESP de Rio Claro comigo! Ele também ajudou bastante no Install Fest da UNICAMP.

Também gostaria de agradecer ao Marcel Godoy e ao Centro Acadêmico da Computação da UNESP de Rio Claro pela organização e divulgação do Install Fest lá. Muito obrigado!

O Install Fest da UNICAMP só foi possível com a ajuda do Grupo Pró-Software Livre da UNICAMP, em especial ao Gabriel Krisman. O Ivan S. Freitas e o Raniere Gaia Silva também ajudaram no apoio logístico do Install Fest.

Por fim, gostaria de agradecer à comunidade Fedora pelo apoio com os DVDs. Obrigado a todos!


Conforme eu havia comentado no post anterior, segue o relato sobre as apresentações que fiz na Semana da Computação da UNESP de Rio Claro.

TL;DR: Gostei de ter tido a oportunidade de dar as apresentações, e principalmente de ter feito minha primeira palestra como Embaixador do Projeto Fedora no Brasil. Sobre a palestra a respeito do GDB, também gostei do jeito que ela foi conduzida. Notei algumas falhas que precisam ser corrigidas, mas no geral a experiência foi muito boa.

Apresentação "O Projeto Fedora"

Foi a primeira apresentação da noite, de acordo com a grade de programação. Começou meia hora atrasada, pois a organização pediu para esperarmos mais pessoas chegarem (estava chovendo bastante no momento, o que dificultou a locomoção).

Comecei a palestra falando um pouco sobre o Projeto Fedora. Acabei passando rapidamente pelas origens do projeto, uma falha que pretendo corrigir em próximas ocasiões. Dei muita ênfase na definição de comunidade e no que isso significa quando lidamos com software livre. Confesso que fiz algumas comparações com o Ubuntu, o que talvez não tenha sido uma boa idéia (de acordo com os guidelines do Projeto Fedora para Embaixadores). De qualquer modo, a mensagem foi passada e notei que algumas pessoas se interessaram em conhecer mais a respeito do projeto e da filosofia.

Pontos positivos: Creio ter conseguido informar as pessoas a respeito do projeto, com a ajuda dos ótimos slides do Paul W. Frields. É sempre gratificante dar palestras, mesmo que apenas uma ou duas pessoas no final acabem se interessando de verdade. Além disso, me senti bem por estar divulgando um projeto que respeita as liberdades dos usuários (ou pelo menos tenta fazer isso ao máximo), e que eu realmente uso e gosto.

Pontos a serem melhorados: Fazer uma palestra um pouco menos "pessoal". É muito difícil conseguir isso, mas tenho a forte impressão de que minha orientação totalmente pró-software-livre acaba (às vezes) afastando algumas pessoas, que vêem no entusiasta por software livre uma pessoa "radical" e "xiita". Preciso pensar um pouco a respeito do assunto...

A conclusão é que fiquei bastante satisfeito com o resultado da palestra. Percebi que, depois dela, algumas pessoas vieram comentar que estavam utilizando Fedora, ou que já andavam pensando em trocar de distribuição, que agora o Fedora era uma opção. O objetivo foi cumprido :-).

Apresentação "GDB Crash Course"

Creio que essa já é a quarta vez que apresento essa palestra, e a terceira vez junto com meu amigo Edjunior. Sempre que ela termina, fico(amos) com a impressão de que ainda não acertamos no ponto, e dessa vez não foi diferente.

A palestra começou em ponto, às 21h, e decidimos tentar uma abordagem um pouco diferente. A última vez que apresentamos a palestra foi no evento da Semana Integrada da PUC Campinas. Naquela ocasião, tínhamos optado por começar falando mais sobre os comandos do GDB, e depois mostrarmos como a coisa funciona, estilo hands-on. Dessa vez, resolvemos ir mostrando a prática junto com a teoria. Ficou melhor, e acho que a apresentação ficou mais fluida, mas ainda assim esbarramos no velho problema da interdependência dos comandos: quando íamos falar sobre breakpoints, precisávamos ter mostrado algum outro comando que só iria ser explicado mais à frente, que por sua vez iria precisar de outro comando, que iria precisar de breakpoints, etc. Enfim, no final acabamos sendo obrigados a pular alguns comandos, e a adiantar a explicação de outros, quebrando um pouco o fluxo dos slides.

Notei que algumas pessoas estavam bastante interessadas no GDB, talvez por já programarem há algum tempo. As outras, aparentemente, ainda não conseguiam ver muita utilidade para um depurador, mas mesmo assim tentavam aprender algo que talvez fosse lhes servir no futuro.

Já era de se esperar, mas mesmo assim não deixo de me surpreender quando vejo que uma palestra técnica consegue atrair muito mais atenção do que uma palestra "filosófica", como foi a do Projeto Fedora. Talvez seja reflexo da sociedade em que vivemos, ou talvez seja apenas uma impressão errônea da minha parte.

A conclusão, finalmente, é que a palestra parece ter sido útil para algumas pessoas (mesmo que poucas), e isso nos dá ainda mais fôlego pra continuarmos tentando divulgar esse projeto pouco conhecido (mas muito útil) que é o GDB.

Agradecimentos

Não poderia deixar de agradecer primeiramente à organização da SECCOMP da UNESP de Rio Claro pelo ótimo evento. Fiquei surpreso com a infra-estrutura e, principalmente, com a receptividade das pessoas. Gostei muito do ambiente descontraído, e espero não ter decepcionado muita gente por lá com meus comentários informais e caipiras durante as palestras :-).

Também agradeço ao meu amigo Edjunior por ter me acompanhado até sua alma matter para me ajudar na realização da palestra sobre o GDB.

Até a próxima!


Hoje, dia 23/10/2012, estarei na UNESP de Rio Claro para dar duas apresentações na Semana da Computação.

A primeira palestra será sobre o Projeto Fedora. Vai ser a primeira vez que falarei sobre o projeto depois de ter me tornado Embaixador do Fedora no Brasil. Confesso que estou um pouco apreensivo, mas escolhi slides muito bons feitos pelo Paul W. Frields, ex-líder do Projeto e bastante competente em suas apresentações. Pretendo fazer um relato sobre a palestra na quarta-feira.

A segunda apresentação será sobre o GDB. Essa apresentação vai ser mais um crash course sobre como utilizar a ferramenta, e os slides estão disponíveis em https://github.com/sergiodj/gdb-unicamp2011.

Espero que ambas as palestras sejam bem recebidas pelo público! Volto depois pra contar como foi :-).

Abraços.