A Droga do Crédito

É uma droga querer crédito por algo. Alguns dizem que é seu direito, dado que você efetivamente tenha feito aquilo pelo qual está pedindo crédito; por outro lado, pessoas com almas supostamente mais evoluídas nos ensinam que o prazer em se fazer algo está contido no ato de fazê-lo, e não no crédito que nos é dado após a realização da tarefa. Quem está certo? O que funciona pra você?

O movimento de Software Livre, visto por um ângulo um pouco não-ortodoxo, funciona na base do “dar e receber”. Você contribui com tempo, dedicação, código, relatórios de problemas, correções, arte, texto, e no fim espera, mesmo que inconscientemente, receber crédito pelo esforço colocado no projeto. Não há nada de errado nisso, e, se o crédito for realmente merecido (o que é uma outra reflexão por vezes dificílima de ser feita!), nada mais justo do que dá-lo.

Por outro lado, é interessante analisar o que ocorre quando o devido crédito não é dado. Sem entrar no mérito do porquê isso aconteceu (relapso, esquecimento, má fé), a pessoa que devia receber esse crédito, mesmo que não o estivesse conscientemente esperando, sofre um abalo — irreversível, por vezes — na vontade de continuar dedicando seu tempo a determinada tarefa. Pode parecer óbvio, mas é preciso olhar para isso com cuidado. O movimento de Software Livre é composto não somente por funcionários de empresas interessadas (financeiramente) no sucesso de determinado software, mas também (e principalmente) por voluntários.

E onde eu entro nisso tudo? Contribuo com Softwares Livres há bastante tempo, e já passei pelas duas situações: fui agraciado com o devido reconhecimento, e fui “esquecido” depois de me esforçar por alguma coisa. Felizmente, na esmagadora maioria dos casos o devido crédito foi-me dado, e não tenho do que reclamar. Mas recentemente passei pelo caso inverso, e senti na pele, mais uma vez, como é ruim não ser lembrado pelo trabalho que realizei, mesmo que isso tenha ocorrido por falta de comunicação e sem nenhuma maldade envolvida.

Tentei, com algum esforço, me colocar na posição de observador, e deixar o papel de “vítima” um pouco de lado. É uma situação muito complicada, e por qualquer ponto que eu tente olhar, não consigo ver uma solução diferente daquela que, de modo egoísta, elegi como a melhor para mim.

Sei o quanto me esforcei para conseguir colocar em movimento uma engrenagem nem sempre fácil de funcionar, que é a de um grupo de apoio ao movimento de Software Livre. Talvez você se lembre do anúncio de fundação do grupo, há mais de 1 ano atrás. E agora, depois de ter feito muita coisa pelo grupo, senti falta de ter um reconhecimento de alguém que considero bastante. Sei que, numa análise mais cuidadosa, a culpada disso foi a falta de comunicação. Mas às vezes não consigo deixar de pensar em como seria bom ter tido um pouco do gostinho de “fiz minha parte, e aquele cara reconhece isso!”.

Enfim, coisas da vida. Esse post ia ficar bem maior, mas decidi cortar mais da metade dele porque não quero ficar no “chororô”. O que importa, no final das contas, é o quanto você acha que está fazendo a coisa certa. No fim do dia, é você quem vai dormir tranquilo, sabendo que se esforçou bastante e que nada do que fez foi em vão. O resto, se vem ou não, é um complemento àquilo que você fez.