Relato dos Install Fests na UNESP de Rio Claro/SP e na UNICAMP/SP

E… Aqui estamos (estou?) com mais um relato sobre duas atividades envolvendo o Projeto Fedora! Ele contempla, respectivamente, os Install Fests ocorridos na UNESP de Rio Claro/SP e na UNICAMP. Foram atividades que envolveram diversas pessoas, tiveram vitórias e derrotas, alegrias e tristezas, mas acima de tudo um sentimento de impotência (principalmente no Install Fest ocorrido na UNICAMP) em relação às novas “tecnologias” de boot, principalemente ao Secure Boot.

Install Fest: missão UNESP de Rio Claro/SP

Este foi o Install Fest mais tranquilo. Ele começou a ser organizado logo depois da minha participação na Semana da Computação da UNESP de Rio Claro, e a intenção inicial era realizá-lo no dia da matrícula dos alunos ingressantes na Universidade. No final das contas, decidimos postergar a data, e isso foi uma boa escolha.

O Install Fest aconteceu no dia 06 de março de 2013, em um auditório da Biblioteca do campus, e começou com uma palestra minha sobre o Projeto Fedora. Foi basicamente a mesma palestra que eu havia apresentado na Semana da Computação, mas de uma maneira mais sucinta porque tínhamos pouco tempo. Creio que a palestra foi bem recebida, porque o público demonstrou interesse em contribuir com o Projeto Fedora depois que eu expliquei os meios para isso :-). Além disso, apesar do número pequeno de pessoas (aproximadamente 12 participantes), todos estavam bastante interessados no conteúdo, o que é uma motivação extra!

Bem, após a palestra era hora de começar a instalar os sistemas. Levei vários DVDs do Fedora, em basicamente 2 versões: LiveDVDs, que permitem o boot e a utilização de um sistema Fedora sem a necessidade de instalar nada na máquina, e InstallDVDs, que não oferecem a opção de “experimentar” o sistema, mas já possuem todos os pacotes necessários para fazer uma instalação completa. Expliquei a todos os presentes algumas regras básicas de todo Install Fest: é preciso reparticionar o disco rígido caso se queira manter o Microsoft (R) Windows (R), quem organiza o Install Fest não pode assumir responsabilidade por nenhuma falha na instalação (apesar de elas serem raras), e também não pode assumir responsabilidade caso o usuário torne-se viciado no GNU/Linux :-). Dito isso, começamos a colocar as mãos na GNU/massa.

O primeiro desafio (e, até então, único!) dos Install Fests recentes é imposto pelos próprios fabricantes de notebooks. Um disco rígido que ainda utilize MBR (a maioria) suporta apenas 4 partições primárias. Antigamente, os fabricantes criavam apenas uma partição para o Microsoft (R) Windows (R), e às vezes chegavam a criar outra partição de “recuperação”, mas paravam por aí. Atualmente, não é raro encontrar computadores com 4 partições primárias já criadas. Eu inclusive já cheguei a ver notebooks com discos de 1 TB com uma partição primária de pouco mais de 1 MB! É uma prática totalmente absurda, e a meu ver é feita com má-fé, visando dificultar a instalação de outros sistemas operacionais. Além disso, pra piorar ainda mais, alguns fabricantes (HP me vem à cabeça, mas existem outros) dão um jeito de invalidar a garantia caso o esquema de particionamento seja alterado!!!

Felizmente, vários computadores no Install Fest possuíam apenas 3 partições (ou até menos!), e aqueles que possuíam 4 partições ou usavam um outro boot sector (chamado GPT), ou já estavam fora da garantia do fabricante e podiam ter seus esquemas de particionamento alterados. O próprio Microsoft (R) Windows (R), a partir da versão 7 (se não me engano), oferece uma ferramenta específica para redimensionar e reparticionar o disco, portanto essa primeira etapa foi concluída com sucesso em todas as máquinas (por favor, se você participou do Install Fest e se lembra de alguma máquina na qual não foi possível efetuar o reparticionamento, por favor contate-me <about> para que eu corrija o post!).

Depois de reparticionar, era hora de começar a instalação. Quase todos preferiram utilizar o InstallDVD, porque a instalação pela internet iria demorar muito. Após o boot, deparamo-nos com a interface do instalador do Fedora 18. Depois de ter lido diversas críticas sobre ele, pude finalmente confirmar que, infelizmente, quase todas condizem. Confesso que fiquei confuso no início, principalmente na tela de particionamento e seleção de disco, que não é nem um pouco intuitiva. Sei que o instalador foi reescrito, e que ele foi um dos principais motivos do atraso no lançamento do Fedora 18, então espero muito que as melhorias para o Fedora 19 contemplem, principalmente, essa parte de interface com o usuário. Após apanhar um pouco, acabei me acostumando com ele e as outras instalações foram mais tranquilas.

Conforme as instalações foram acabando, os sistemas começaram a ser configurados. Se minha memória não falha, todos optaram por instalar o GNOME 3, que é o desktop padrão do Fedora 18. Eu particularmente não gosto dele, e também tive algumas dificuldades (principalmente ao tentar encontrar modos de alterar opções mais avançadas), mas algumas pessoas gostaram do visual.

No final, esqueci de contar quantas máquinas foram instaladas, mas creio que chegamos perto de 11. Todas as instalações foram bem sucedidas, até onde minha memória alcança :-). E novamente eu fiquei bastante satisfeito com minha ida à UNESP de Rio Claro!

Entretanto, nuvens negras estavam se aproximando, e minha alegria duraria pouco…

Install Fest: missão UNICAMP

Há alguns anos começaram a surgir notícias sobre um novo sistema que substituiria a BIOS, permitindo muito mais flexibilidade durante o boot e inclusive adicionando camadas de segurança que protegeriam o usuário de vírus e outras ameaças. Esse sistema chama-se UEFI (e uma das tais “camadas de segurança” chama-se Secure Boot), e no ano passado ele ganhou muita notoriedade porque a Microsoft (R) anunciou que seu então novo sistema, o Windows (R) 8, só poderia ser utilizado em máquinas com UEFI. Isso causou uma corrida dos fabricantes de computador para adaptar-se a esse novo modelo (e ganhar o famigerado selo de compatibilidade da Microsoft (R)), e gerou incoformismo em boa parte das comunidades envolvidas com Software Livre e/ou Open Source.

Resumindo, o grande problema desse novo esquema é a necessidade de uma chave criptográfica assinada por uma autoridade certificadora para que o sistema operacional seja iniciado. Essa é a segurança que o Secure Boot provê, e o único jeito de obter uma chave assinada é… (tambores)… pagando à Microsoft (R)!

Até onde eu sei, o Microsoft (R) Windows (R) 8 não funciona caso o Secure Boot esteja desabilitado (um meio perfeitamente válido de instalar uma distribuição GNU/Linux que não possui a tal chave criptográfica), então a distribuição é obrigada a compactuar com esse esquema caso queira oferecer a opção de dual-boot ao usuário. E atualmente, as duas únicas distribuições que oferecem isso são o Fedora e o Ubuntu.

Bem, depois dessa sucinta explicação, começa aqui meu relato sobre o que aconteceu no Install Fest. No dia 13 de março de 2013, quarta-feira, nos reunimos no Instituto de Computação da UNICAMP para realizarmos a instalação de distribuições GNU/Linux. Novamente, eu levei vários DVDs do Fedora para serem utilizados pelos alunos ingressantes nos cursos de Ciência e Engenharia de Computação. Dessa vez não houve palestra introdutória sobre o Projeto Fedora, mas eu resolvi pegar 10 minutos e explicar as “regras” de um Install Fest. Também comentei sobre a má prática que algumas fabricantes de notebooks têm quando decidem entregar um disco rígido todo particionado e sem a possibilidade de adição de novas partições primárias. Dito isso, começamos a instalar.

Infelizmente, devido a diversos fatores como inexperiência, tempo curto para organização do evento, e erro na estimativa de quantas pessoas iriam ao evento, acabamos ficando com muita gente pra instalar e pouca gente pra ajudar. Não chegamos a fazer uma contagem oficial, mas eu suponho que pelo menos 20 pessoas estavam na sala querendo instalar o Fedora. E a grande maioria delas estava com notebooks novos, com Microsoft (R) Windows (R) 8, i.e., com UEFI e Secure Boot habilitados.

Conforme íamos reparticionando os discos e bootando os DVDs do Fedora, começamos a perceber que havia algo errado. Depois de terminar a instalação em algumas máquinas, notávamos que o sistema não iniciava. O que tínhamos que fazer, em alguns casos, era desabilitar o Secure Boot (mesmo assim, sem sucesso em alguns casos). E depois disso, o Fedora finalmente era iniciado, mas o Microsoft (R) Windows (R) 8 não aparecia na lista de sistemas operacionais do GRUB! Ou seja, era impossível fazer com que os dois sistemas convivessem na mesma máquina.

Tivemos alguns casos um pouco mais graves, mas que no fim foram resolvidos. E antes que você me pergunte qual foi a solução, eu respondo: reabilitamos o Secure Boot, e praticamente desfizemos a instalação do Fedora. Ou seja, a esmagadora maioria dos alunos presentes no Install Fest voltou pra casa com uma máquina sem Fedora ou qualquer outra distro GNU/Linux. Eu pessoalmente vi apenas 2 instalações bem sucedidas, apesar de que depois do Install Fest fiquei sabendo de mais.

Saí do evento bastante chateado, achando que a culpa havia sido nossa, e que os alunos nunca mais iriam querer instalar GNU/Linux nas suas máquinas. Mas depois de um tempo, coloquei as idéias em ordem e resolvi escrever este post. Não estou eximindo ninguém da culpa, creio que devíamos ter planejado o Install Fest um pouco melhor, e com certeza aprendemos com os erros que cometemos. Mas acho muito importante apontar alguns dedos e dizer o que realmente aconteceu.

Conclusões

A conclusão principal não poderia ser outra. É preciso tomar muito cuidado com essas novas tecnologias de boot. Quando for comprar uma máquina nova, é preciso prestar muita atenção a isso, pois essas novas tecnologias nada mais são do que armadilhas para tirar a sua liberdade de escolher o que quer executar na sua máquina. É preciso lutar contra essas imposições que as empresas fazem (não seja inocente pensando que é só a Microsoft (R) que está por trás disso…), e é preciso tomar conta da sua liberdade. Se quiser demonstrar ainda mais seu apoio contra essas imposições (e entender mais do porquê delas existirem), clique aqui e leia a página da Free Software Foundation sobre o assunto (e assine a petição também!).

Conclusões secundárias: um Install Fest (ou qualquer evento, na verdade) precisa ser organizado com antecedência, e precisa ter bastante gente disposta a ajudar nas instalações. Só assim as coisas fluem.

Agradecimentos

Não posso deixar de agradecer o Ricardo Panaggio por me ajudar indo até a UNESP de Rio Claro comigo! Ele também ajudou bastante no Install Fest da UNICAMP.

Também gostaria de agradecer ao Marcel Godoy e ao Centro Acadêmico da Computação da UNESP de Rio Claro pela organização e divulgação do Install Fest lá. Muito obrigado!

O Install Fest da UNICAMP só foi possível com a ajuda do Grupo Pró-Software Livre da UNICAMP, em especial ao Gabriel Krisman. O Ivan S. Freitas e o Raniere Gaia Silva também ajudaram no apoio logístico do Install Fest.

Por fim, gostaria de agradecer à comunidade Fedora pelo apoio com os DVDs. Obrigado a todos!